Leia

 

 

 

 

 

 

- Drogas e corrupção

         Duas coisas me intrigam no Brasil contemporâneo: a expansão das drogas e a prática da corrupção.  As drogas não são um fenômeno exclusivo daqui, mas entre nós exerce um domínio inacreditável e, a mim, impressiona o consumo imenso que sustenta a realidade de violência em torno do tráfico. É muito dinheiro rolando que se multiplica por ser totalmente livre de impostos. Há um mercado consumidor incentivando a proliferação de pontos de venda que precisam de abastecimento constante.

  Sou de uma geração que exaltava drogas porque artistas de destaque assumiam o uso delas ou corria em segredo que as consumiam. LSD, maconha- cocaína pouco se ouvia falar - eram consideradas fonte de criatividade para a elaboração de obras de arte. Em algumas músicas, apontavam indícios de “uma viagem” revelada em metáforas para escapar da repressão. Nunca fui muito com a cara de maconheiros que viviam alheios à realidade, rejeitavam política e discriminavam quem não usava drogas com uma palavra ofensiva ao extremo: careta. O careta, representação do retrocesso, reacionário e ligado ao atraso.

   O argumento para a liberação da maconha é de que o tráfico financia a violência e, legalizado, o baseado geraria impostos e empregos. Quer dizer, o cara da boca largaria o fuzil para ser um trabalhador legalizado e a paz reinaria entre os diversos grupos que disputam pontos de venda. Inacreditável, mas já ouvi que, com a venda legalizada, uma parte do dinheiro arrecadado financiaria tratamento de quem a consome que, curado, largaria o vício. Logo, teríamos uma redução no número de maconheiros o que seria mais um fator positivo na legalização.

Outro argumento a favor da liberação da maconha é de que existem drogas lícitas como álcool e tabaco. Então, porque há drogas que fazem mal liberadas, liberam-se também as maléficas que são proibidas?! E onde se vai fumar maconha com essa repressão ao fumo que restringe cada vez mais os lugares para espalhar fumaça fedorenta?

  A droga financia a corrupção porque é ilegal, mas empresa de construção não é ilegal e financia a corrupção; empresa de ônibus não é ilegal e financia a corrupção. O que se arrecada com corrupção é extraordinário e pagar propina é mais lucrativo do que pagar impostos.  Ao menos, comprova-se isso ao saber das cifras que rolam entre corruptos que compram e se vendem.

Droga e corrupção destroem o país. Se ambas continuarem toleradas estaremos definitivamente perdidos.