Leia

 

 

 

 

-A volta da Asa Branca

 

         

    “A volta da Asa Branca”, música de Luiz Gonzaga gravada em 1950 e é continuação de 'Asa Branca', parceria de Gonzagão com Humberto Teixeira, de 1947. 

        A primeira gravação que ouvi de “A volta....” foi de Caetano Veloso e me encantei.  A música fala da chuva no sertão que faz as sementes florescerem, a asa branca bater asas novamente e o nordestino voltar pensando até em se casar antes do fim do ano.

        “A volta da Asa Branca” fez sucesso, mas 'Asa Branca' é que se tornou um hino do Gonzagão e - algumas vezes - me perguntava o motivo do regresso não ter o mesmo sucesso da música que descrevia a fuga.

        Talvez, no Brasil; a seca nordestina tenha sido sempre o toque da revolta contra a péssima distribuição de renda nacional.  Já cheguei a ouvir que 'o Brasil autêntico' seria o nordeste e o sul (chamado de maravilha por Henfil) um país imperdoável porque era algoz do 'verdadeiro' Brasil. Aliás, havia gente que explicava a criatividade musical do nordestino como consequência do sofrimento.

        'A volta da Asa Branca' é uma visão positiva sobre um nordeste dando certo, muito diferente daquele retratado nos filmes do Cinema Novo e de cangaceiros que - numa época - fizeram a cabeça de gerações. 

        Não dava para ver dragões da maldade contra santos guerreiros ouvindo ao fundo uma música sobre a terra de mulher séria e homem trabalhador, nordestinos capazes de mudar aquela imagem infeliz que os 'especialistas em Brasil' –essas figuras que estão sempre por aí-  diziam ser o Brasil de verdade.

        “A volta da Asa Branca” é um país dando certo e os especialistas em Brasil gostam mesmo do Brasil sofredor.