- O limite da vida

      Cientistas da Escola de Medicina Albert Einstein, em Nova Iorque, chegaram a conclusão de que o ser humano tem o prazo de validade de 120 anos.  A expectativa de vida teria essa idade como ponto final e pessoa alguma conseguirá transpor tal marca.  Por coincidência, o livro Gênesis 6:3 estabelece o mesmo número de anos como idade máxima da humanidade:

“Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.”

  O limite foi alcançado em 1997 - o ano em que a francesa Jeanne Calment morreu com a idade recorde de 122 anos. Aliás, ela ultrapassou o limite com 164 dias.

    Portanto, a vida eterna em carne e osso jamais será alcançada.  Todos estamos condenados a 120 anos de vida e não há como superar essa marca. 

Na atual situação brasileira, o ruim dessa notícia de que 120 anos seria a idade limite de um ser humano é o governo usar tal informação para armar outra reforma da Previdência.

        Quando menino, li que caminhar bastante estendia a vida das pessoas e passei a praticar longas caminhadas.  Depois, ouvi que a genética influenciaria na longevidade.  Como tive um avô que viveu mais de 100 anos, acreditei que – misturando caminhada com DNA – a vida longa estaria garantida para mim. No entanto, conheci pessoas que morreram sem chegar a um longo tempo de vida embora tivessem pais e avós em idade avançada. 

      Na verdade, o segredo da existência longa ainda está distante de ser desvendado.  Embora o avanço da ciência, os remédios descobertos e as recomendações como exercícios físicos e hábitos saudáveis garantam longa vida. Isso se não houver contratempos como uma guerra civil igual a tantas que explodem por aí ou um descontrole da Segurança Pública semelhante ao do Brasil.

      O ideal é viver muito com qualidade de vida como costumam dizer atualmente.  Passar dos 90 ou cem anos com o tesão dos 20, por exemplo, seria bom demais.  Uma ótima aposentadoria também cairia bem.  Vida longa com dias de verão à toa numa praia, jantares com vinhos alentejanos, sem estresse ou ansiedade, sucessivos campeonatos do Flamengo.....  bom aí, já não é vida longa mas quase a perfeição da eterna.