Leia

 

 

 

 

 

- Conceição e o Mito de Sísifo.

 

        Sísifo voltou ao mundo dos vivos depois de enganar o deus da morte. Por isso, Mercúrio impôs ao trapaceiro o castigo de carregar uma pedra até o topo de uma ladeira.  Quando a pedra chegava lá em cima rolava morro abaixo.  Era um trabalho inútil, cansativo, doloroso e teria de ser feito pela eternidade.  Entre as muitas leituras que se pode fazer dessa história da mitologia grega está a de que não devemos enganar a morte porque a vida eterna pode trazer sérios problemas.

        Na música brasileira, existe um mito tão fascinante quanto: o da “Conceição”, gravação marcante na carreira de Caubi Peixoto.  Composta por Dunga e Jair Amorim (muitos acham que o parceiro seria Evaldo Gouveia mas os dois ainda não se conheciam quando a música foi composta), a canção fala de uma mulher que – no alto do morro – sonhava com coisas que não possuía.  Um dia, alguém vai ao morro e diz à Conceição que – se ela descesse à cidade – subiria na vida.  Conceição aceita a proposta e é castigada.

        A letra diz que ninguém sabe se Conceição subiu na vida, mas o nome dela mudou e estranhos caminhos teria seguido.  A musa cantada por Caubi ousou quebrar a regra imposta pelo destino e – igual a Sísifo – colocou um desejo ou um projeto acima do que estava estabelecido.  Por isso, percorrendo estranhos caminhos; Conceição sonha em voltar ao morro como Sísifo – carregando a mesma pedra que desce a ladeira depois que ele a deixa lá em cima – deve pedir para retornar ao mundo dos mortos.

        Conceição é a música que os fãs exigiam que Cauby cantasse e virou uma denominação para tudo o que caracteriza alguém.

          “Qual é a sua Conceição?” perguntou a veterana repórter ao jovem cantor e ele ficou sem saber do que se tratava.  Veio a explicação: “Aquela música que você não pode deixar de cantar num show porque a plateia pede sempre.”

        Pelé teve a sua Conceição naquele gol que não fez ao chutar de longe na Copa de 70.  Ronaldinho Gaúcho também naquele gol que marcou contra a Inglaterra na Copa Coreia-Japão.  Até hoje, ele precisa explicar se chutou com intenção de marcar ou cruzar.

        Todos têm uma “Conceição” na vida e não se consegue se livrar dela igual Sísifo com seu castigo.

        Tive a ideia de comparar Sísifo com Conceição depois que revi Oscarito interpretando um professor de grego numa daquelas antigas chanchadas da Atlântida.  Poderia falar que foi inspirado em Camus, mas a verdade é essa.