Leia

 

 

 

 

 

- O Jardim dos Finzi Contini.

       

 

 

 

    "O Jardim dos Finzi-Contini" é um filme de Vitorio De Sica da década de 70 baseado em romance de Giorgio Bassani no qual há uma das cenas mais bonitas da história do cinema.  O filme conta a ascensão do fascismo na Itália e o cerco que se aperta em torno dos judeus, assunto cuja abordagem é mais frequente quando o tema é o nazismo na Alemanha.

        Lá pelo final dos anos 30, a Itália delirando com Mussolini também elegeu inimigos para perseguir e "O Jardim dos Finzi-Contini" mostra a cena em que judeus são cadastrados numa escola.  A câmara faz uma tomada geral de uma sala de aula onde há pessoas sentadas em carteiras escolares e outras em pé.  Uma idosa entra amparada por duas pessoas e um jovem no fundo da sala se levanta oferecendo o lugar.  No momento de tragédia absoluta quando todos sabiam que não existia futuro promissor, o gesto de cortesia do jovem é uma rara demonstração de humanidade naquele contexto que negava os sentimentos humanos.

        Não estamos numa situação limite tampouco ameaçados de deportação para um campo de extermínio mas testemunhamos vários exemplos de pequenas solidariedades que são negadas.  Seja no Metrô, no ônibus, no elevador ou no trânsito quando o motorista se julga dono da rua tirando a vez de pedestres. 

        A negação da gentileza se espalha quando vizinhos não se cumprimentam num encontro casual em áreas comuns dos condomínios ou desconhecidos se ignoram quando o acaso os coloca para dividir espaços públicos.

        "O Jardim dos Finzi-Contini" é de um estupendo cineasta que já dera ao cinema "Ladrões de Bicicleta", película cuja cena final do homem chorando ao lado do filho por ter sido flagrado ao roubar uma bicicleta depois de ter a dele roubada é a expressão da impotência do ser humano.  Ser humano que foi esmagado na ascensão do fascismo e, hoje, cercado pela intolerância religiosa que corta cabeças e quebra estátuas ou pela violência urbana que executa pessoas em troca de nada, parece, não se dar conta do enorme perigo que se alastra. 

        A cena do jovem se levantando para uma idosa na sala de aula onde judeus eram cadastrados pelo fascismo italiano deve ser lembrada para ressaltar que as gentilezas mínimas precisam de apoio.  Pode não parecer nada mas pequenas solidariedades têm o poder  de derrotar as grandes intolerâncias.