Poemas musicais

             

  

 

     Na Faculdade de Letras da UFRJ, Bela Josef - minha professora de literatura Hispânica - contava que Manuel Bandeira, de quem fora monitora, classificava o verso da mulher pisando alheia nos astros como o mais bonito da nossa língua. 

                     "Tu pisavas nos astros distraída...”

     Os versos são de Orestes Barbosa escritos para "Chão de Estrelas", música e interpretação de Sílvio Caldas.

        Concordo que é bonito embora ache este trecho de "Arranha-céu" também de Orestes com Sílvio Caldas tão bonito quanto:

      "‘Cansei de esperar por ela /Toda noite na janela/ Vendo a cidade a luzir /Nestes delírios nervosos dos anúncios luminosos que são a vida a mentir."

      Orestes Barbosa era carioca de classe média e morreu nos meados da década de 60 com 73 anos de idade.  Talvez, por ter sido conhecido mais como letrista; a poesia que escreveu ficou sem o aval da elite literária.

              Penso que escolher um verso como o mais bonito da música brasileira é uma tarefa impossível porque na MPB não existe apenas a perfeição de metáforas inspiradas, mas definições incontestáveis.  Por exemplo, quem ousaria desacreditar de um amor tão intenso quanto o que escreveu Guilherme Arantes em “Cheia de charme”?

            "Paixão assim, não acontece todo dia."

        É preciso segurar porque esse não se pode perder.

      Chico Buarque deslumbrou em "Construção" pelos versos terminados em proparoxítonas, isto é, palavras cujas sílabas tônicas são as antepenúltimas:

"Subiu a construção como se fosse um PRÍNcipe. Comeu feijão com arroz como se fosse MÁquina. Morreu na contramão atrapalhando o SÁbado."

         Mas também foi capaz de descrições singelas como

 "O tempo passou na janela e só Carolina não viu."

 Um jogo de palavras que se torna mais instigante ao criar o mistério de que não se sabe se o tempo passou na janela ou se Carolina ficava na janela enquanto o tempo passava.

“Simples carinho” de João Donato na voz de Ângela Rô Rô causa arrepio quando lembra que sonhando acordada dormiu com a pessoa amada.

      Não há um verso “o mais” bonito na música brasileira, porém; inúmeros e tantos porque temos Vinícius de Moraes, Mário Lago, Paulo César Pinheiro, José Carlos Capinam, Dolores Duran, Maysa, Sara Benchimol, Abel Silva, Ana Terra, Fernando Brandt e Aldir Blanc, poeta que escreveu sobre 'o torturante band-aid no calcanhar', definição exata da incerteza do tímido quando a música tocava indicando a hora de dançar contando que são dois para lá e dois para cá.

      Portanto, quem tentar achar o verso mais bonito da nossa música ficará num impasse e impasse, ao menos no que se refere ao amor, há muitos no nosso cancioneiro, palavra que deve ser usada com mais frequência por causa da onírica poesia que traduz.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now