Leia

 

 

 

 

 

- Casinha Pequenina.

               

 

 

  'Casinha Pequenina' me intrigava porque seria de autoria desconhecida ou popular.  Isto é, música executada sem que houvesse um autor de carne e osso assinando a composição. 

        Hoje, nem tanto mas como tocavam 'Casinha Pequenina', símbolo do amor puro nascido na mais autêntica simplicidade.

"Tu te lembras da Casinha Pequenina./onde nosso amor nasceu./ Tinha um coqueiro do lado que coitado de saudades já morreu.'

        Nos programas humorísticos, eram apresentadas paródias geralmente sobre o sonho da casa própria que acompanha todo brasileiro.  Talvez, uma ambição que empata com a de ter carro. 

        No cinema, um filme de Mazzaropi com esse título relata a luta pela posse da terra.

         Enfim, 'Casinha Pequenina' resume sonhos, projetos e obsessões da vida brasileira. 

        Mas quem compôs essa música?

        Há uma informação de que seria de Bernardino Belém de Souza, pianista que - bem no início do século XX- tocava em navios da rota Manaus - Rio.  O musicólogo Vicente Sales atribui a Leopoldo Fróes e Pedro Augusto, atores de teatro, a autoria da composição lá por 1902.  Em 1906, o cantor Mário Pinheiro registraria a primeira gravação.

        'Casinha Pequenina' fala sobre o amor que nasceu singelo e feliz mas ficou só na lembrança.  Lembrança bem retratada na prosopopeia:

"Tinha um coqueiro do lado que coitado de saudades já morreu."

        Prosopopeia é a figura de linguagem que dá a seres inanimados, sentimentos humanos.  Coqueiro não sente saudade e nem morre por causa desse sentimento.  Aliás, nem sei se nós humanos ainda morremos por causa disso. 

        Hoje em dia, quase não se canta 'Casinha Pequenina'.  Mas o sonho da casa própria continua.  É claro que a gente se contenta com um pequeno apartamento longe dos coqueiros, porém; com o luxo (quem sabe?) de um play ou de uma estação de Metrô bem pertinho.