Leia

 

 

 

- malandra é Anitta

        

,  Anitta está à vontade no cenário do clipe que não é glamouroso.  Outros vídeos mostram uma imitação da zona sul carioca como se a comunidade fosse uma extensão dessa região nobre da cidade.  Com Anitta não.  A comunidade tem personalidade mostrando a cara.  Talvez, essa visão pouco divulgada tenha gerado os comentários da turma que viu nas imagens submissão, celulite e até a afirmação de que a cantora saiu dos “cafundós do Rio”.

         A letra de “Vai malandra” – música assinada por MC Zaac, Maejor e DJ Yuri Martins - é difícil de entender como era indecifrável a letra de “Bigorrilho”, marchinha de Paquito, Sebastião Gomes e Romeu Gentil, sucesso no carnaval dos anos 60 na voz de Jorge Veiga.  É só comparar:

“Lá em casa tem um bigorrilho,  Bigorrilho fazia mingau, Bigorrilho foi quem me ensinou,  A tirar o cavaco do pau, Trepa Antonio, siri tá pau, Eu também sei tirar, O cavaco do pau.”

“Tá pedindo, an, an /Se prepara, vou dançar, presta atenção / An, an tutudum an, Cê aguenta an, / Se eu te olhar Descer, quicar até o chão / Desce, rebola gostoso Empina me olhando /Te pego de jeito Se eu começar embrazando contigo.”

         Entre Anitta e o público se estabeleceu uma identificação cuja origem é de difícil explicação.  Uns falam que ela teria conseguido captar a linguagem das redes sociais, das diversas tribos que teclam na Internet o dia inteiro. Outros, que teria ampliado o alcance de sua música através da capacidade de se agarrar às origens.  Uma forma de colocar em prática aquela máxima de que a universalidade estaria na competência de reproduzir a própria aldeia.  Tem sentido porque nada é mais universal do que “Vida Secas” de Graciliano Ramos ao retratar a angústia da seca nordestina. 

         Anitta tem pretensões de carreira internacional.  Muitos tentaram e poucos conseguiram.  Se conseguir romper tal estigma, será aceita no Brasil até para os que não gostam dela.  Porque, na realidade, não é para ela ou para o que ela canta que viram a cara mas para o que a artista representa. 

A implicância é com aquela gente na laje tomando banho em piscinas de plástico com a mangueira jorrando água e marcação de ritmo com palmadas no bumbum.