Leia

                                 

 

 

                                           

 

                                         - Vide verso meu endereço

        Músicas de Adoniran Barbosa percorrem a capital paulistana com precisão de um GPS numa época quando tal dispositivo não existia.  Numa entrevista, o compositor disse que alguns pontos de São Paulo conhecia bem por causa da ocupação de vendedor que desempenhara durante algum tempo.  “O Brás, por exemplo, conheço de ponta a ponta.”, disse Adoniran.

        Com esse conhecimento, compôs a música sobre o “Arnesto que morava no Brás.”, estourou com “Trem das Onze” sobre o último trem para Jaçanã que não poderia perder porque outro só na manhã seguinte.  “Triste Margarida” conta a história de um sujeito que disse à mulher que desejava conquistar ser engenheiro no Metrô de São Paulo e que a levaria para ser passageira na inauguração.  No entanto, a enganada passava de ônibus pela via 23 de maio e viu o mentiroso catando grama no barranco da avenida.  O caso amoroso se desfez.

        Algumas canções não revelam o local onde se passa a ação como “Saudosa Maloca” mas quem ouve não duvida que o cenário  é a capital de São Paulo.  Há uma descrição exata da cidade na história de Mato Grosso, Joca e o parceiro narrador da música sobre o palacete assobradado onde o trio ergueu a maloca que um dia os homens com a ferramenta vieram derrubar.  Sem teto, os três catam palha na grama do jardim e cantam a saudade da maloca que deu lugar a um edifício alto, construção com mais lucrativa serventia.  Interessante em “Saudosa Maloca” é que, além da descrição do ambiente urbano, há a transformação pela qual passa a metrópole.

        Em “Vide verso meu endereço”, Adoniran Barbosa discorre sobre alguém que escreveu um bilhete de agradecimento.  O personagem (Doc Comparato disse que tanto faz o ou a personagem e estou seguindo o roteirista) pede para Gervásio entregar a mensagem ao Dr. José Aparecido que lhe deu uma quantia há algum tempo. Ele aplicou o dinheiro numa cadeira de engraxate na Praça da Bandeira onde, pegando firme, dá para tirar mais de mil por mês.  O engraxate revela que casou, tem três filhos lindos (dois biológicos e um de criação) e comprou uma casa lá no Ermelindo, bairro que homenageia o comendador Ermelindo Matarazzo.  Atrás do bilhete está o endereço que o Dr. José Aparecido pode ler e aparecer por lá quando quiser.

        Na música, Adoniran Barbosa fala dos bilhetes que deram lugar aos e-mails, das cadeiras de engraxate que são raras atualmente e da adoção, da gratidão e da solidariedade, ações que espero jamais se extinguirem por mais que o tempo passe, as cidades mudem e a tecnologia avance.