A mais bonita homenagem musical ao pai.

 

      No ano, há diversas homenagens marcadas por músicas.  Dia das Mães tocam logo a de Herivelto Martins e David Nasser sobre a figura com o avental todo sujo de ovo.  Talvez, atualmente, a imagem perdeu força e já nem toquem tanto.  Na minha infância, as rádios executavam "Minha mãezinha querida..." do Getúlio Macedo, composição desaparecida.  Havia também a 'flor mamãe que nasce no jardim do coração'.

      No Dia dos Namorados vinha "Minha namorada" do Vinícius e Carlos Lyra que, por ser longa, tocavam só um trechinho.  Antônio Marcos com Vanuza cantavam a relação dos namorados numa música de Fred Falcão que já não ouço mais.  Os Tribalistas ( reunião de Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown) têm aquela que diz: "Meu melhor amigo é o meu amor" e, embora não seja específica sobre namorados, cai bem no dia deles.

      Dia dos Pais, Fábio Júnior arrebenta com Pai Herói.  Gosto de uma do Gabriel Pensador falando que cresceu mas continua querendo ser igual ao pai.  Recordo outra sobre o pai provedor na voz do Carequinha que contemporaneidade arquivou.  Mas, na minha opinião, a mais bela homenagem musical ao pai está numa música sem intenção de ser executada no Dia do Pai.

      "Vingança" de Lupicínio Rodrigues é sobre um homem magoado desejando o mal completo à amada que o machucou.  Ele chega a rogar a praga de que a amada 'há de rolar qual as pedras que rolam na estrada sem ter nunca um cantinho de seu pra poder descansar.'. 

      O que "Vingança" tem a ver com homenagem aos pais?

      Num trecho, o vingativo canta: "Me fazer passar tanta  vergonha com um companheiro e a vergonha é a herança maior que meu pai me deixou."

      Vergonha no sentido de constrangimento diante de alguém, mas que significa pudor e orgulho na herança do pai.  Pudor e orgulho de não corromper nem ser corrompido.  Pudor e orgulho por sair na rua com a certeza de que não será apontado como ladrão, bandido, mau caráter, desonesto, delator ou envolvido num desses escândalos que andam por aí.

      Sugiro que toquem "Vingança" no Dia dos Pais porque recebi do meu a vergonha como herança e gostaria que duas pessoas, em especial, repetissem esse trecho da música: minha filha e meu filho. 

Aliás, o país inteiro precisa honrar essa herança paterna e, se não a recebeu, exigir que todo pai acumule o bem da vergonha e passe aos filhos. 

Independente do sexo do pai ou de sua opção sexual, a vergonha tem de ser a herança maior. Principalmente, para calar quem tanto ódio propaga contra quem dá amor à filha e ao filho.